Header Ads

Lula chama Bolsonaro de miliciano, pede perícia no caso Marielle e diz estar de volta para lutar

O ex-presidente discursou neste sábado em São Bernardo do Campo, um dia após deixar a prisão



Ao retornar neste sábado (9) ao reduto de origem do PT, a região do ABC Paulista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez mais um duro discurso contra os procuradores da Lava Jato de Curitiba, o ex-juiz Sergio Moro e o presidente Jair Bolsonaro (PSL). "Eu estou de volta", disse, sob aplausos de militantes. "Estou com mais coragem de lutar do que quando eu sai daqui".
O petista usou parte do discurso para atacar a política econômica do governo, em especial a reforma da Previdência. Outra parte da fala de improviso usou para se defender das acusações da Lava Jato e de suas condenações na Justiça. "Esse país é nosso", disse, depois de ter se referido ao governo federal como um governo de milicianos.
"O Moro não era um juiz, e sim um canalha que estava me julgando", disse o presidente, ao se referir ao hoje ministro da Justiça que o condenou no processo do tríplex de Guarujá que o levou à prisão. Em seguida, disse que o procurador Deltan Dallagnol montou quadrilha no comando da força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba. "Uma mentira atrás da outra."
Emocionado, disse ter "medo de mentir para o povo trabalhador" e repetiu que seus "algozes" da Lava Jato estão mentindo nos processos contra ele. O petista se referiu à sala de 15 m² da Polícia Federal na qual ficou preso por 580 dias como uma "solitária".
"Me preparei para não ter ódio e não ter sede de vingança. "Eu queria provar que, mesmo preso por ele, eu dormir com a consciência tranquila." "Duvido que o Moro durma com a consciência tranquila que eu durmo, e duvido que o Bolsonaro durma com a consciência tranquila que eu durmo."
Ataque a Bolsonaro
Em seguida, atacou Bolsonaro. "O Bolsonaro chegou a confessar que ele devia as eleições ao Moro. Na verdade, ele deve ao Moro, ele deve aos juízes que os julgaram e à campanha de fake news que fizeram contra o companheiro Fernando Haddad e à esquerda deste país."
Disse aceitar o resultado da eleição, mas que Bolsonaro foi eleito democraticamente para governar o país, e não para as milícias do Rio de Janeiro. "É preciso de uma perícia séria", numa referência ao sistema da portaria do condomínio do Rio de Janeiro em investigação no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco, em março de 2018. "Onde está o Queiroz", perguntou Lula, antes de dizer que o atual presidente sempre ofendeu negros, mulheres e gays.

Nenhum comentário