Header Ads

Rede Nacional de Advogados Populares pede que OAB acione MP para apurar possíveis crimes de Bolsonaro em visita ao Ceará

 MPF pede que Bolsonaro seja investigado por crime contra a saúde pública durante visita ao Ceará

Membros da Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares do Ceará (RENAP/CE) encaminharam representação ao presidente da Ordem de Advogados Brasileiros do Ceará (OAB/CE), Erinaldo Dantas, solicitando que o órgão cobre dos Ministérios Públicos Federal e Estadual, e demais instituições competentes, uma apuração sobre possíveis crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e demais parlamentares que acompanhavam a comitiva presidencial em visita ao Ceará, na última sexta-feira, 26.

A Renap aponta em documento as possíveis infrações cometidas pelo chefe do Executivo e demais autoridades presentes nos eventos de Tianguá e Caucaia. Dentre elas, estariam:

“exposição das vidas de outras pessoas ao perigo (Artigo 132, do Código Penal); infração à determinação do poder público, destinada a impedir introdução de doença contagiosa (artigo 268, do Código Penal); e desobediência à determinação de usar máscara (artigo 3º-A da Lei nº13. 979/2020)”.

Em passagem pelo Estado, Bolsonaro promoveu aglomerações ao cumprimentar apoiadores e ao se reunir com aliados para discursar em palanque. Boa parte deles, inclusive o próprio presidente, estava sem máscara de proteção. Além dos protocolos sanitários básicos, o presidente também descumpriu as recomendações do Ministério Público sobre a organização do evento, ao romper instalações de grades para falar com o público.

O órgão fundamenta o pedido encaminhado à OAB com base Estatuto da Ordem, que define que a entidade tem por função “defender a Constituição, a ordem jurídica do Estado democrático de direito, os direitos humanos, a justiça social, e pugnar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da justiça e pelo aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídicas”. O pedido foi enviada também para o presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz.

Nesta quinta-feira, 4, o deputado estadual Renato Roseno (Psol) também enviou ofício ao procurador-geral de Justiça do Ceará, Manuel Pinheiro, pedindo que o órgão apure possível crime contra a saúde pública por parte de autoridades do Estado que acompanharam o Bolsonaro durante o evento.

Fonte: O Povo

Nenhum comentário