Header Ads

Número de mortes por Covid-19 em janeiro no Ceará é o maior em seis meses




 O número de óbitos provocados pela Covid-19 no Ceará em janeiro de 2022 foi o maior dos últimos seis meses. Os dados parciais considerados pela Secretaria da Saúde do estado (Sesa), entre os dias 1º e 30 deste mês, indicam que foram registrados 368 mortes pelo coronavírus neste ano; este índice é o maior desde julho de 2021, quando 494 morreram por complicações da doença.

O aumento de óbitos pela doença ocorre em meio à terceira onda da Covid-19 no Ceará, puxada, conforme a Sesa, pelo avanço da variante ômicron no estado. A variação do coronavírus, que já é majoritária no Ceará, é a sua versão mais transmissível já identificada até o momento.

Apesar do aumento durante o mês de janeiro, a quantidade de óbitos ainda é bastante inferior ao mês com maior número de mortes registradas desde o início da pandemia. Em maio de 2020, no auge da primeira onda do coronavírus, faleceram 4.251 pessoas — 91% a mais do que os números atuais.

O secretário da Saúde do Ceará, Marcos Gadelha, atribuiu o baixo quantitativo no número de óbitos, quando comparado a outros períodos mais graves da pandemia, à vacinação. De acordo com ele, o sistema de saúde estadual conseguiu reter o número de pessoas doentes por causa da vacinação contra a Covid-19, pois, proporcionalmente, a quantidade de pacientes com necessidades de leitos de atenção foi menor.

Enquanto 25 em cada 100 pessoas que iam às UPAs precisavam de transferência durante a primeira onda, apenas 5 em cada 100 precisaram ser transferidas durante a terceira onda. “Esse dado das UPAs mostra exatamente o que significou as pessoas estarem vacinadas nessa nova onda da ômicron no Ceará”, disse o governador.

Importância da vacinação

O Ceará está vacinando crianças entre 5 e 11 anos de idade e adultos com a dose de reforço. Para a epidemiologista, Caroline Florêncio, a vacina atua como freio para números ainda mais expressivos da pandemia no estado.

“As pessoas que não tomaram a vacina servem de experimento vivo. A gente percebe que a grande proporção das pessoas que estão internadas, que estão morrendo, não tomou a vacina”, disse a especialista, que faz parte do Departamento de Saúde Comunitária da UFC.

Ela cita a morte do ator Tarcísio Meira como um exemplo do questionamento sobre a vacina. Ele morreu de Covid-19 mesmo após tomar três doses do imunizante. “A vacina reduz a probabilidade de você morrer, ela não zera. As pessoas precisam compreender isso. É uma arsenal a mais, mas não anula”, reforça Caroline.

Fonte: G1 CE

Compartilhar
 
 

Nenhum comentário